Saturday, May 31, 2008

publicidade e género: o caminho mais fácil

Publicidade... penso sempre que é um dois em um: por um lado amostragem e sintoma do estado de costumes e convicções, por outro lado é sem dúvida formadora de opinião enquanto bombardeia os mais desatentos com conceitos fabricados.

Poderia tambem ser percursora de novas mentalidades ou manifestar requinte, subtileza e arte, mas isso é mais raro...
*
Deixo um exerto do livro Os Códigos da Publicidade de Sut Jhally que no capítulo "o género sexual e a atracção exercida pela publicidade" nos diz:


Através de comentários e de exemplos extremamente argutos, este autor [Ervin Goffman] mostra-nos que na publicidade a melhor maneira de compreender a relação masculino-feminino é comparando-a com a relação pais-filhos, podendo ver-se como os homens assumem os papeis de pais enquanto as mulheres se comportam como normalmente se esperaria que as crianças o fizessem. Na publicidade as mulheres são, em grande medida, tratadas como crianças.
[...]
Ao analisar o modo como as mãos costumam ser retratadas, por exemplo, descobre que as mãos das mulheres são geralmente mostradas a acariciar um objecto, outras vezes mal o tocando, como se sobre ele não tivessem um controle total, ao passo que as mãos masculinas são mostradas a agarrar e a manipular os objectos com força e decisão. Goffman questiona-se sobre o que é que essas representações sociais dizem acerca das posições relativas dos homens e das mulheres. As camas e os soalhos, por exemplo, andam associados às partes menos limpas das dependências: além disso, as pessoas que aparecem a usá-los são colocadas num plano visual inferior a quem quer que esteja sentado ou de pé. A posição reclinada para trás coloca também as pessoas numa postura frágil em termos de defesa, deixando-as à mercê dos outros. Tais posições constituem tambem, e como é óbvio, uma “expressão convencionada de disponibilidade sexual”.
A amostra de anúncios reunida por Goffman revela que as mulheres e as crianças são retratadas na cama ou no chão com muito mais frequência que os homens. Acresce que as mulheres, quando sob a “protecção” física do companheiro do sexo masculino, são constantemente retratadas a “divagar” mentalmente, como se a força e a atenção vigilante dele lhes bastasse.

As mulheres são ainda mostradas na pose do dedo-na-boca, que remete de imediato para o comportamento infantil. Além disso, quando se mostra o contacto físico entre homem e mulher, esta surge invariávelmente a “aconchegar-se nos braços dele, da mesma forma que as crianças buscam a protecção e o conforto da mãe. A diferença entre o comportamento masculino e o feminino é, finalmente bem posta em relevo pela sugestão de Goffman de que tentemos imaginar uma inversão de posições dos modelos de homem e de mulher que nos são oferecidos.[...]

Nada há de natural nas relações entre os géneros: elas são definidas e construidas socialmente. [...]

A falsidade advém do sistema de imagens, dos anúncios no seu todo e do seu efeito cumulativo. Todas as mensagens (ou pelo menos muitas delas) versam o género e a sexualidade. Parece que, para as mulheres, nada existe nelas que seja importante para alem desses aspectos.

Quando misoginia e especismo se cruzam para criar um filho único o resultado é de um mau gosto assombroso...


#


foto

Sexo, sensualidade e afins rendem sempre atenção e resultam num caminho fácil para a publicidade... com alguma mudança de mentalidade tambem agora o corpo masculino começa a ser usado para essa via

*

Friday, May 30, 2008

de novo género e dominação - angústias masculinas, uma explicação?

imagem retirada de um blog paternal e... querido! :-)

Um texto de Sara Bizarro sobre o estado de tentativa de regulamentação, limitação e inferiorização da mulher por parte do homem em quase todas as culturas e religiões procurando uma explicação para tal... a teoria não é nova, mas está muito bem sintetizada e na raiz de tudo está o sentimento de pertença...
mas leiam:

"Durante um longo período de tempo, por toda a feliz Idade de Ouro, só existiram homens à superfície da terra, não havia mulheres. Zeus criou-as apenas respondendo com o seu rancor a todos os cuidados que Prometeu tivera para com o homem. (…) Zeus criou então algo de muito perigoso, algo que deleitava os olhos pela suavidade e pela beleza, com o aspecto de uma donzela tímida a quem todos os deuses concederam dons, vestes prateadas e um véu todo bordado, uma autêntica maravilha. Chamaram-na Pandora, que significa "a dádiva de todos"; depois de terminada esta bela calamidade, Zeus mostrou-a a todos e, ao contemplarem-na, tanto os Deuses como os homens ficaram extasiados. É dela - a primeira mulher - que descendem todas as outras mulheres, que são a desgraça dos homens e que têm propensão para praticar o mal"
*
(Hamilton, Edith, A Mitologia, 95-96)
*
As concepções de inferioridade da mulher povoam toda a história da humanidade. Desde as narrativas míticas, de que o mito de Pandora é um exemplo, a mulher tem sido considerada não só como inferior, mas também como uma ameaça constante ao homem. A concepção Aristotélica da inferioridade física e moral da mulher (por falta de calor e excesso de humidade) foi uma das mais influentes da história ocidental. Mas as concepções de inferioridade da mulher multiplicam-se, mesmo nas sociedades que não sofreram a influência grega. Uma pergunta inevitável é: porquê? Porque é que a mulher sempre foi vista como inferior e, de algum modo, perigosa? Porque é que os homens se esforçaram por dominar as mulheres?
*
Nalgumas tribos existem mitos segundo os quais a superioridade do homem foi antecedida pela superioridade da mulher, superioridade esta de tal modo tirânica que justificaria a dominação presente do homem. Um exemplo de um mito deste tipo pode ser encontrado na tribo dos Ona estudada por Anne Chapman [...]
*
Esta constatação leva à ideia de que a necessidade do homem de dominar a mulher está relacionada directamente com a maternidade.
De facto, o controle social da fecundidade das mulheres pode ser considerado como essencial pelo menos nas primeiras sociedades.
[...]
Mas, para a união da tribo é necessário garantir a paternidade, principalmente a paternidade dentro da tribo e não, por exemplo, numa tribo inimiga. Para tal, é necessário que as mulheres estejam sobre a dominação dos homens, isto não porque elas sejam consideradas promíscuas à partida, mas porque a maternidade é evidente e a paternidade é apenas aparente.
[...]
A angústia da paternidade parece assim ser a resposta às perguntas iniciais: Porque é que a mulher sempre foi vista como inferior e, de algum modo, perigosa? Porque é que os homens se esforçaram por dominar as mulheres? O esforço masculino de domínio sobre o feminino parece ser uma tentativa de evitar a angústia da paternidade. [...]
*
* texto completo*
*

Thursday, May 29, 2008

Plutão - morte e ressureição

*
Não resisti a transcrever este texto, ele está perfeito e descreve bem algumas convulsões sociais actuais...
*
Terá o senhor do submundo um papel activo na questão?!...
*
Plutão em Capricórnio remete ao poder nas e das organizações corporativas e institucionais. E o planeta do tudo ou nada, das profundezas, do oculto e da radicalidade está em Capricórnio desde 26 de janeiro de 2008, onde fica por 15/16 anos. A conjunção de Júpiter e Plutão em 11 de dezembro de 2008 a 28oSagitário24', foi mais um alerta quanto a negligência das leis e das verdades escondidas ou enterradas pelos caminhos... Plutão traz segredos e mistérios à tona... E em 24 de Junho próximo,voltando em retrogradação fica estacionário novamente a 28o.Sagitário30'. Talvez uma sacudida triunfal em Sagitário? Sua passagem purificadora pelo signo do Centauro,meio homem/meio animal, o simbolismo da flecha para o Alto, signo do fogo, dos ideais elevados e grandiosos, da política, do Saber, da crença e da fé, acirrou conflitos ideológicos e de poder entre nações e organizações. A passagem de Plutão por Sagitário expôs, ainda expõe amargamente o lado oculto e escuro, a podridão, a falta de ética nas corporações, nas entidades governamentais, entre políticos e governantes. Revelações chocantes ou esclarecedoras permanecem em grande parte ainda sem antídoto ou remédio. Vaidade, ganância, ânsia de poder, continuam a sobrepujar anseios patrióticos e populares. Em seu vai-e-vem que clareia toda escuridão a 26 de Novembro próximo Plutão terá retornado a 0oCapricórnio00'. Com Plutão por Capricórnio, signo da integridade, poderemos esperar por um período de purgação e radical transformação no poder burocrático, nas estruturas institucionalizadas. Mudanças no percurso dos planetas exteriores no céu são espelhadas aqui na terra em viradas nas tendências sociais. Sinalizam os caminhos reservados ao homem em sua luta pela dominação e/ou pela sobrevivência.
*
O trabalho de Plutão é lento mas sem contemplação - Plutão agora a 00o Caprcornio 44' - vai comendo pelas beiradas até atingir os ossos dos problemas, abre caminho para bases de verdadeira qualidade, ética e grandeza nos poderes estabelecidos. Neste mundo em mudança, apesar de todo o desenvolvimento e avanço, destruição e miséria, entre vitórias e derrotas, angustiados e desolados uns, esperançosos e confiantes outros; oprimindo de um lado libertando-se de outro, crédulos e descrentes avançam e retrocedem em seu caminhar. Planetas em Capricórnio exigem dignidade, honra e bom senso, seriedade em palavras e atos. Correspondência entre promessas e realizações. Prometem sucesso, quando merecido, nos negócios e no social. Plutão, pequeno em tamanho, gigante em sua força, passe aonde passar é agente de poder, morte, transformação e renovação. Capricórnio tem a ver com qualidade, maturidade, segurança e tempo, com status e mundo material, com sobrevivência e com trabalho. É o signo associado à realidade. Assim sendo, espera-se que arcabouços e esqueletos fossilizados, raízes doentes ou danificadas, não mais condizentes com a grandeza de uma nação e com o bem estar de seu povo - aquilo que já está deteriorado, obsoleto, trincado também pelo abuso e pela corrupção - venham a ser purgado e, finalmente, eliminados. É tempo de liberar espaço ao surgimento de estruturas outras que saibam o significado e o sentido de grandeza,desenvolvimento, solidez, autoridade, dignidade e respeito. Que haja disciplina,compromisso e responsabilidade nas ações de todos. Que aqueles que venham a subir ao palco o façam conscientes de seus deveres e maduros para avaliar e considerar os direitos de todos. Que possam usar seu poder em favor de um mundo menos violento, mais seguro e melhor para todos.
(Lourdinha Biagioni )
*

Tuesday, May 27, 2008

Mulheres em Meghalaya


*
Hoje venho falar das mulheres de Meghalaya
*
Meghalaya é um estado da India em que a organização social particularmente em termos de género é completamente diferente do resto do país e até do mundo
*
Senão vejamos:
*
Meghalaya, que em sânscrito significa "a morada das nuvens", é um pequeno estado no nordeste da Índia, encarrapitado nas montanhas. Poderia ser um lugar como qualquer outro, mas em Meghalaya, 85% da população vive em tribos e existem 985 mulheres para cada homem nas cidades, o que é uma taxa estranhamente alta, se comparada a do restante da Índia. A razão? Lá nenhuma família fica triste quando nasce um bebê do sexo feminino na família, porque Meghalaya é considerada a maior comunidade matrilinear da terra.
*
Apesar de a descendência passar de mãe para filha, e não de pai para filho, os 5 milhões de habitantes do estado não vivem num matriarcado, quer dizer, as mulheres não dominam os homens. Um estudioso da cultura da região definiu assim o delicado equilíbrio de poderes a partir do qual se organiza a vida dos meghalayanos: "O homem é o defensor da mulher, mas a mulher é a guardiã da sua riqueza". É ela que cuida dos bens e da casa, enquanto o homem se responsabiliza pelo sustento da família e o tio materno organiza o lado religioso da vida da comunidade. Em geral, quem herda a propriedade familiar é a filha mais nova ou "Ka Khadduh". Caso ela morra sem filhas, a herança vai para sua irmã mais velha, para a filha dela, para a mãe da irmã e assim por diante... No entanto, ela não pode vender a propriedade ancestral sem o consentimento dos tios e dos irmãos.
*
Três tribos povoam o país, de florestas exuberantes, onde vive uma riquíssima diversidade de animais e um quarto das 1200 espécies de orquídeas nativas da Índia: os khasis, os jaintias e os garos. Na língua das tribos, falada junto com o inglês, os nomes das coisas inanimadas são do gênero masculino até se tornarem úteis, aí eles viram nomes femininos, assim "madeira" é palavra masculina, mas "tábua" é feminina.
*
Parece um paraíso? Mas os homens reclamam. Movimentos "masculinistas" pipocam exigindo direitos iguais ou simplesmente a instauração do patriarcado. Dizem que se sentem "animais reprodutores", que são obrigados a se mudar para a casa da sogra quando se casam, que as mulheres podem colocá-los porta afora e que os filhos, além de não herdarem o nome do pai, em caso de separação ficam com o clã feminino.
*
Essas tradições ancestrais, preservadas até hoje, graças ao isolamento geográfico, começam a ser questionadas, sobretudo sob a influência das idéias supermachistas que dominam o restante da Índia e que conseguem chacoalhar a "morada das nuvens" via satélite...
*
Como será o futuro do pequeno estado onde as mulheres reinam soberanas? Não dá para saber, mas é quase inacreditável que uma sociedade assim tenha conseguido florescer justamente na Índia, o país dos abortos de fetos femininos e onde é comum a imolação de mulheres pela família do marido! É torcer muito para que as mulheres e os homens de Meghalaya consigam achar uma terceira via, quem sabe, um modelo até que sirva de exemplo para o resto do país...
*
#óptimo resumo da Adília Belotti que ainda nos deixa umas quantas sugestoes para conhecer melhor Meghalaya#
*
*
# # #
Nada a ver com a notícia acima, mas no penúltimo link não pude deixar de reparar nesta notícia revoltante:
*
*
uma tristeza o mundo de (certos) homens...
*

Saturday, May 24, 2008

Astrologia Helenística

*
Filhos na casa 10, ferimentos na casa 7 e fama póstuma na casa 5: a Astrologia Helenística, praticada na Antiguidade na região do Mediterrâneo, desenvolveu uma concepção sobre o significado das casas radicalmente diferente da visão contemporânea.
*
É assim que começa na Constelar deste mes o artigo sobre a misteriosa e distante astrologia Helenistica...
*
Vale a pena acessar o texto todo.
*
A Casa Doze, ao mesmo tempo em que é apoclima, ou seja, um "declínio" do que a casa anterior representava, uma volta atrás no sentido da vida representada pela Casa Um que é Zôo, tem também o sentido de uma preparação. Mas, para que o EU se prepara na casa doze? O que deduzimos é que a alma ali prepara o plano de sua Bios.
*
A astrologia grega não era reencarnacionista, mas utilizava muito a filosofia de Platão, e Platão acreditava na reencarnação. Nesse sentido podemos dizer que a Casa Doze é uma casa onde escolhemos a vida a ser vivida, onde escolhemos nossa "bios". Por essa razão trata-se de uma casa cheia de atividade e planejamento. Depois dela temos o nascimento, a primeira casa, o e o Hõroskopos.

Thursday, May 22, 2008

Boom-De-Yada



Um momento descontraído de bom astral... algumas pessoas que aparecem no vídeo são caras bastante conhecidas do Discovery Channel

Bear Grylls




*
de
*
*

Wednesday, May 21, 2008

a minha frase preferida?!

*
não sei se tenho uma frase preferida, mas esta é de certeza uma delas:
*
O amor não é uma carência, o amor é uma abundância!
*
;-)
*

Monday, May 19, 2008

Tao - no feminino

*
Eva Wong tece nesta entrevista algumas considerações práticas sobre o taoismo no feminino. Embora sem diferenças básicas para qualquer dos sexos tem alguns aspectos abordados interessantes de ler.

Existem quatro estágios de cultivo para todo mundo. O primeiro estágio é a construção das fundações, que implica em se preparar para o segundo nível que é aquietar mente e fortalecer o corpo. O terceiro nível é a circulação da energia e o quarto nível é o retorno ao Tao .
[...]
Quando as mulheres começam a meditar, muitos dos problemas estão aqui (Eva indica a região espinhal lombar) é lá que ela sente tensão. Isto porque se você observar como o corpo da mulher é estruturado, tem a parte superior do corpo, vem a cintura, e depois vem o quadril, parece uma ampulheta e para tudo isso se abrir, para que essa área fique menos dolorosa ao se sentar, estes ossos (Eva indica a àrea atrás da cintura) precisam abrir para que o corpo se torne mais reto.
[...]
Isto porque a meditação é um meio de coletar energia interna e como o ciclo menstrual é a época que você perde energia interna, essa é a época em que quanto mais você coleta energia mais você expele. Não é apenas uma perda de tempo coletar energia neste período, você também pode acabar expelindo mais energia do que coletou.
[...]
As mulheres frequentemente não entendem que elas tem a força dentro e que só precisam treinar para que possam ser suaves fora. A força interna da mulher é algumas vezes confundida com resistência. As mulheres persistem em um projeto por muito mais tempo que os homens. Os homens então precisam praticar e treinar a maciez interna. Muitos homens não entendem isto, eles geralmente mostram a força, a iniciativa, mas a maciez interna não é usualmente comprendida porque vivem construindo esta imagem de agressão e força, e não possuem dentro a suavidade necessária para dar suporte a esta força. Em certo nível a maciez é simplesmente a aceitação das coisas, aceitar que você pode estar errado. Deve-se fazer tudo para acertar, mas deixando a possibilidade de admitir que você pode estar errado, Os homens têm muita confiança em si mesmo, porém muito menos segurança. As mulheres geralmente têm mais segurança, porém muito menos confiança em si mesma.

(CULTIVO FEMININO - entrevista com Eva Wong )

indice dos vários artigos
*

Sunday, May 18, 2008

história do Ventania


*
Hoje conto a história do Ventania. Verídica e muito recente.
*
Ele é um belo gato fortemente arraçado de persa, todo branco e com pêlo muito comprido Quando o vi pela primeira vez estava com o pêlo cinza de sujo.
*
Quem me conhece e sabe que não viro as costas a um animal em apuros vem ter comigo com a descrição daquele luxuoso gato aparentemente perdido nas ruas, a atravessar com soberba tranquilidade avenidas largas e movimentadas...
*
Já junto ao exemplar dou-lhe água e comida -estava a precisar! Acaricio-o e pego-lhe sem que ele proteste... No entanto qualquer coisa no seu olhar firme me diz que é um gato cheio de ideias próprias e com decididas intenções de ser ele próprio a escolher os seus caminhos!
*
Ninguem podia ficar com ele, eu de lotação esgotada... abreviando, foi já bem tarde no dia que arranjei FAT para uma ou duas noites; não se revelou muito eficaz: o Ventania fugiu das duas vezes que o levei com intervalo de poucas horas... e regressou ao ponto onde o tinha encontrado são e salvo apesar de separado por uma avenida movimentada.
*
Entretanto já eu tinha tentado contactar o número no interior da coleira junto ao nome, sem sucesso. Deixei mensagem e retornaram mais tarde, confirmando que se tratava dos donos, e que sim, iriam buscá-lo mais tarde...
*
Nunca apareceram.
Nem ligaram
*
Não atenderam quando liguei várias vezes posteriormente para saber com o que se podia contar em relação ao bichano.
*
Quando outra pessoa ligou de outro número atenderam e disseram o que já todos sabiamos: que podiam ficar com ele, não o queriam.
*
Sem comentários.
*
Apesar de tudo, Ventania tinha uma história em que já tinha passado por várias mãos. Criado por um grupo de emigrantes que o deixaram para trás quando foi hora de partir e mais um episódio qualquer onde se notava que tinha vivido no exterior das casas e com pouca atenção, ele não parecia disposto a tornar-se um gato indoor fácilmente.
*
Apesar dos últimos donos estarem perto não regressou; tinha saído de casa e escolhido o lugar onde o encontrei para viver...
Apercebemo-nos que estava esterilizado e de unhas cortadas. Talvez estas últimas pessoas tivessem tentado fazer alguma coisa por ele e desistido demasiado cedo.
Um gato esterilizado já depois de adulto (não sei se era o caso dele) demora algum tempo a acalmar, os vets dizem que pode ir até 6 meses com a hormona ainda a circular e a proporcionar o típico comportamento inquieto.
*
O jovem persa -entre um ano a ano e meio, acabou por se tomar de amores por um humano que por ali divide o seu espaço com um felino europeu comum, lindo e simpático, todo negro como a noite... os dois gatos tornaram-se os melhores companheiros: para onde um vai, vai tambem o outro. O humano, a principio não achou muita graça a este brusco aumento de clã sem ser consultado, mas acabou por se render e agora diz enlevado que se senta num cadeirão com os dois gatos em frente, um em cada cadeira...
*
Eu não disse que o Ventania tinha ideias próprias sobre o que fazer da sua vida?!
**
*

Tempo...

*
...que passa!
*
este mes faz quatro anos que ando por este espaço em postagens regulares
*
Continuo fiel aos temas predominantes que constam aí do quadradinho laranja acima, ó!...
*

I Love...



O comercial é curtissimo mas cativante, como convem.

A primeira vez que o vi foi na Van'Or, uma menina que gosto de visitar e ler enquanto dona de caracteristicas para mim fascinantes: espírito sem-papas-na-lingua com agilidade e irreverencia q.b. que já me arrancaram boas gargalhadas muita vez... e sem nunca se tornar deselegante.

Como se tudo isso fosse pouco ela tambem é fã dos quatro patas!
:-)

Tuesday, May 13, 2008

Eu sou um gato...


Foi uma surpresa que achei deliciosa, conhecer a prosa de Natsume Soseki...

Um dos grandes escritores japoneses a emprestar a sua sensibilidade ao tema gato!... :-)

O link foi enviado por uma amiga e um pedacinho da obra pode ler lida aqui

Ele tambem é considerado o Charles Dickens oriental.

Alguns livros dele.

Agora vamos ver se eu encontro a obra -e o autor, por estas paragens
*

Sunday, May 11, 2008

Albert Hofmann


Albert_Hofmann foi o cientista que descobriu -inadvertidamente, a substancia alucinogénica LSD.

O químico suiço nascido em 1906, faleceu com a idade de 102 anos neste 29 de Abril e sempre recusou a sua intimidade profissional com a droga como a razão da sua longevidade.

Hofmann defendia o uso de LSD, não enquanto droga psicadélica mas como terapia possível para certas doenças de foro psiquiátrico, em última análise capas de uma alma doente.

O LSD chegou a ser utilizado para tratar alcoolismo e autismo, além de doentes terminais.

Defendeu a tese de que o eventual acesso da alma facilitado pela substancia ajudaria na cura dessas doenças e insurgiu-se contra os que professavam o uso dado às drogas para fins puramente recreativos, tão em voga nos anos sessenta...

Recentemente a comunidade cientifica tem equacionado a possibilidade de continuação no uso cientifico da substancia.

As reações e efeitos da LSD variam de pessoa para pessoa mas tem tónicas comuns

(notícia completa)
*
simulações no youtube...
*

Saturday, May 10, 2008

só para desacelerar um pouco...


(Nature Knows) música de Paul Cummins

...se não tiver paciência de ver até ao fim, comprova-se que você está demasiado acelerada/o! :P



(Colors of the wind)

Friday, May 09, 2008

a censura


Uma jovem filóloga, Yoani Sánchez, foi considerada pela Time (1) uma das 100 pessoas mais influentes do mundo.
Ela é cubana e edita revista digital Consenso http://www.desdecuba.com/

e tambem o blog Generación Y http://desdecuba.com/generaciony/

Foi-lhe atribuído o Prémio Ortega y Gasset na categoria Jornalismo Digital

Mas impedida de ir a Madrid recebê-lo...

A respeito disso ela terá dito: “É o rasgo da realidade mais reveladora de tudo o que tenho escrito”
O jornalismo digital de Yoani foi considerado ter informação vivaz e directa pelo juri do prémio e aborda temas sociais.

O blog já esteve inacessível... No momento em que posto está online.

(mais informação: Publico)

*
(1) a propósito, nesta edição da time tem um inquérito s/ o abuso animal no desporto;
clicando a sua opção vai ter os resultados nos EUA que podem ser observados por estados, embora no geral a opinião de que há abuso predomine largamente
tem alguns -poucos no momento em que observei,
onde a opinião é contrária.
*

gostei destas!... ;-)


Faz um favor a ti próprio/a:

prospera e sê feliz;

essa é a melhor vingança contra os teus inimigos.


Quando achas que já sabes as respostas,
a vida vem e muda-te as perguntas.
*

Thursday, May 08, 2008

uma chamada de atenção...

*
...a quem passa por aqui:
A senhora da foto é Rose Marie Muraro
Para divulgar quem é, criei um blog
*
"trazer RMM enquanto pessoa, mulher, personalidade e percurso de vida e tambem a parte dela que toca o colectivo pelo activismo em prol da parte feminina no mundo e o seu direito à livre expressão em todos os sentidos" é o objectivo.
*
A ideia foi dela, eu dei um bocadinho de tempo e pesquisa para a criação do espaço
*
da co-laboração nasceu a obra, que fica disponível

sugestões são bem vindas!
:-)
*

Convite...

*
Fica feito um convite: visitem o blog desta menina e conheçam um pouco do que ela nos diz sobre Massagem Ayurvédica Tradicional (de Relaxamento e Terapêutica) depois, se estiverem perto aproveitem a possibilidade de ter a experiência no vosso corpo... e alma!
*
Benefícios da massagem ayurvédica:
Nutrir e hidratar a pele;
tonificar e relaxar os tecidos musculares; facilitar a circulação do corpo;
incrementar o fluxo de oxigénio que dá vida aos tecidos;
estimular o sistema linfático; eliminar toxinas do corpo;
elevar as respostas imunológicas; corrigir o fluxo de energia em todo o corpo;
dar ao corpo sensação de leveza, agilidade e energia;
eliminar a rigidez das articulações, melhorando a postura;
flexibilizar a coluna; aumentar o vigor e a vitalidade sexual;
aumentar a concentração e a vivacidade mental, estimulando a criatividade;
elevar a auto-estima e o poder da vontade;
preservar as propriedades da juventude;
criar abertura mental;
produzir relaxamento e induzir um estado meditativo
*
T.A.: desejo-te toda a sorte do mundo... sempre! ;-)
*

Wednesday, May 07, 2008

Terra de Brumas


(Açores- Terra das Mil Cores)

Uma pequena homenagem para Isabel G e seus maravilhosos domínios! ;-)


(Azorean happy dance)

Tuesday, May 06, 2008

contra a repressão da informação!

vai um chá?...

conheça um pouco mais...
*
...da seccção possíveis utilidades trago uma bebida de todas as estações e muitas variedades...
*
mesmo falando do vulgar chá de supermercado as variedades menos conhecidas parecem ser as mais benéficas para a saúde.
*
Os meus preferidos? chá branco e chá vermelho*!...
:P
...
*
(para saber mais)
*
*
*(tambem se chama chá vermelho à variedade Pu-erh
eu refiro-me a rhoibos, chá sul-africano)

Monday, May 05, 2008

l'important c'est la rose...


um dia, por mais incrível que pareça, talvez fosse boa ideia silenciar todos os telefones, desligar todos os motores e cessar todas as actividades durante uma hora, para permitir às pessoas ponderarem por uns minutos sobre o siginificado de tudo, a razão da sua existência e o que realmente querem

(James Truslow Adams)


saberemos que aprendemos uma liçao quando as nossas atitudes mudarem


desperdiçamos o dia em que não nos rimos pelo menos uma vez

(Nicolas Chamfort *Escritor francês)


Não tenha pressa. Não se preocupe. Está aqui para uma curta visita, por isso, não se esqueça de parar e de cheirar as rosas.

(Walter Hagen)

Sunday, May 04, 2008

Saturday, May 03, 2008

a grande Sylvie Guillem



(Wet Woman - Sylvie Guillem)

Adoro esta bailarina e sua expressividade! :-)

o que dizem mulheres II...


Ela tambem fala de um assunto mediático no momento e de um modo muito específico, mas que eu tambem gostei muito...

Por isso lhe peço as palavras emprestadas para viajarem até aqui:

voltar a acompanhar noticiários tem um efeito colateral engraçado. a notícia do vovozinho (ele tem 73 anos) austríaco que manteve a própria filha presa no porão dá margem a uma metáfora, uma leitura dos fatos muito interessante.vamos lá: o vovozinho representa o patriarcado. velhinho e gagá, decadente, do tipo que parece precisar de uma bengala ou fralda geriátrica, mas se equilibrando orgulhosamente em alguns poderes ainda vigentes. poderes cretinos como por exemplo, o de manter a própria filha (que representa a mulher nascida do patriarcado, a mulher que o homem inventou, criou) presa no porão (subterrâneo, inconsciente, blabla... já deu pra entender o paralelo). eles têm crianças, que jamais saíram do porão, ou seja - é um papai bem castrador mesmo, esse.. dá comida e roupa mas não deixa andar de bicicleta, e cria com isso pessoas à sua esquizofrênica semelhança. está tudo bem pro papai ter seres tão mutilados quanto ele, nunca melhores.
*
quando a (que coincidência!!!) menina mais velha precisa ir ao hospital, descobre-se todo o universo doente que esse homem criou e onde todas essas pessoas estavam vivendo.para além da cretinice desse homem, não vou discorrer sobre a saúde mental da menina que virou mulher dentro de um porão e viveu com seus filhos naquele ambiente insalubre e restrito em todos os sentidos, pois tudo é bem óbvio. o patriarcado tem esse poder, o de criar pessoas em ambientes completamente absurdos e convence-las de que está tudo bem e 'normal' e que é assim mesmo que a vida moderna é. afinal, um shopping lindo desses e vc está reclamando?! estamos falando de pequenezas que parecem infinitas - como todo um universo doente pode se manter por tanto tempo, com a conivência de muita gente. como uma vida tão ruim pode ser aceita como a única possível, certa e normal. e como a dominação insana pode manter tanta gente em vidas que parecem medíocres e tristes panelas de pressão.

*

Friday, May 02, 2008

o que dizem mulheres...

( A imagem é uma brincadeira ao texto, mas o perfume é real e é para nossos amigos cães, concerteza!)

Ela diz quase tudo o que eu gostava de dizer sobre o assunto...

Por isso o destaque aqui de parte das palavras da crónica que considero dizer coisas importantes sobre temas mediáticos no momento:

Acerca do primeiro tema, o cão, aqui está a petição, porque mesmo que resolvido, (e ainda que fosse hoax -não é,) trata-se de algo inadmíssivel fosse até no reino das ideias e importa deixar bem manifesto o desacordo...

As palavras são de Cora Ronai, jornalista brasileira que empresta muita vez a sua objectividade e talento com as palavras a causas de defesa dos animais.

No ano passado, um psicopata que se diz artista amarrou um cão de rua a um arame, numa galeria de arte, e, supostamente, aí o deixou morrer de inanição, diante de uma mensagem idiota escrita na parede com pedaços de rao. Prometeu repetir aœinstala este ano e, desde que ameaçou faze-lo, a internet está em polvorosa. Não se passa um dia sem que eu receba dezenas de emails, a maioria com fotos do animalzinho, em estado deplorável, na tal galeria. Alguns pedem divulgação do caso, outros minha adesão a uma petição que, da última vez em que olhei, já tinha ultrapassado a casa dos dois milhões de assinaturas.É uma realidade mais do que compreensível. Afinal, o que pode fazer alguém com um mí­nimo de sensibilidade diante da indescritível importancia de saber que um bicho inocente será morto, com requintes de crueldade, num outro ponto do planeta? Há controvérsias em relação ao caso.

Investigadores da WSPA e da Humane Society, duas respeitáveis sociedades protetoras de animais, foram inconclusivas. Não há provas de que o cão tenha efetivamente morrido, ainda que nada leve a crer que se tenha salvo. As duas sociedades -tranquilizem-se! - já sairam a campo para evitar que a acção se repita; e membros da WSPA foram formalmente aceitos como observadores da bienal de araque para garantir que nenhum animal sofra maus-tratos.

[...](toda a crónica Mundo Cão)

Aconselho vivamente a leitura de todo o texto e tambem de comentários, na grande maioria muito interessantes.

Ainda sobre o caso do cão apetece-me apoiar um dos comentários reproduzido abaixo;

"Sobre a instalação: não perguntaram nada ao animal, mas li no G1 que um vanguardista alemão está recrutando ser humano moribundo, terminal, com aquiescência do próprio e da família, pra morrer numa galeria, com todo respeito do público, claro. Há mais de dez anos que o necrófilo persegue o alvo e amadurece a inspiração."

E sobre outros casos de atropelos ao direito à vida em dignidade -independentemente da espécie atingida e seja no Brasil ou em qualquer parte do mundo, apetece-me gritar o mesmo comentário em que alguém manifestou

Pára o mundo que eu quero descer!
*
Não fora eu acreditar que estamos cá -tambem - para o melhorar...
*