Thursday, August 31, 2006

Mais notícias felinas...



Lembram-se deste post?!

e deste?

Pois bem, este agora diz respeito à continuação da saga de salvamento.

Ontem estive uma hora e meia num sótão incrivelmente poeirento, grande e com a agradável temperatura de 46º, dobrada pela cintura -a altura do tecto não dava para uma posição normal!, a resgatar os gatinhos, agora com cerca de um mês, que quase morreram de fome e abandono três dias após nascerem, já que os donos da casa abandonada vedaram todas as entradas de madrugada e acto contínuo partiram de férias o mês de Agosto, deixando a mãe gata desesperada do lado de fora...

Os bébes são quatro peludinhos lindos, três pardos -uma menina mais clarinha muito curiosa e um machinho preto dos mais fôfos que tenho visto de redondinho que é!

:-)

A jovem mãma deles é dificil de capturar, muito desconfiada e esquiva quando pressente essa intenção, mas a ideia será também ir para adopção.

Quem se quiser habilitar a adoptar os bébes...
*

Destaque: Earthlings


“Se eu pudesse fazer com que todos no mundo vissem um filme, eu os faria assistir EARTHLINGS.” - Peter Singer, autor 'Libertação Animal '

EARTHLINGS (Terráqueos) é um documentário sobre a absoluta dependência da humanidade em animais (para companhia, comida, roupa, entretenimento, e pesquisa científica) mas também demonstra nosso completo desrespeito por estes chamados "provedores não-humanos". O filme é narrado pelo indicado ao Oscar Joaquin Phoenix (GLADIADOR) e apresenta música pelo artista de platina renomado pela crítica Moby.Em 2005 ganhou 3 prêmios em 3 festivais diferentes Boston, San Diego e Artivist.

Com um estudo profundo em pet shops, fábricas de filhotes e abrigos de animais, como também em fazendas industriais, o comércio de couro e de peles, as indústrias de esportes e entretenimento, e finalmente a profissão médica e científica, EARTHLINGS usa câmeras escondidas e imagens nunca antes vistas para demonstrar as práticas cotidianas de algumas das maiores indústrias do mundo, todas as quais dependem totalmente em animais para o lucro. Poderoso, informativo e provocador, EARTHLINGS é de longe o documentário mais compreensível já produzido na correlação entre a natureza, animais, e os interesses economicos humanos. Existem muitos filmes valiosos de direitos dos animais, mas este transcende o cenário. EARTHLINGS grita para ser visto.

Mais...
*

Mudanças para o pequeno-grande Plutão...


daí

Pode-se dizer que Plutão está sentindo o próprio gostinho de seu simbolismo misterioso e sub-reptício. Acaba de ser desprezado e rebaixado pelos cientistas sem aviso prévio. Não é mais um planeta, declararam.

A abordagem de hoje começa por uma olhada crítica sobre um evento expressivo que foi amplamente divulgado pela mídia do mundo inteiro na semana passada: a 'desclassificação' de Plutão, decretada por um grupo composto por 2.600 pessoas entre astrônomos e cientistas de várias nacionalidades, reunidas em Congresso da União Astronômica Internacional, em Praga, na República Checa. Bom, como se não tivessem coisa mais importante para fazer, face os esmagadores problemas ambientais, sociais, de conflitos dolorosos de nosso próprio planeta, resolveram rebaixar, por aclamação, para a terceira divisão, este todo-poderoso corpo celeste, descoberto em 1930. A decisão - burocrática - levou em conta tamanho e tipo de órbita, mais outras considerações de menor peso. Quem gosta e acompanha Astrologia sabe que Plutão, regente de Escorpião, representa - resumidamente - a morte, a transformação, o poder, o sexo, os políticos... Pois é, já não poderia mais ser chamado de planeta e sim de "planeta-anão", talvez com isso querendo tirar dele a energia, o poder, a força que lhe foi atribuída pelos astrólogos mais sábios, ao longo de mais de 70 anos de observações, experiências, estatísticas e conclusões compartilhadas.

Ficou muito claro o posicionamento (além da comunidade científica) dos meios de comunicação que, em sua maioria, apoiaram ostensivamente esta medíocre decisão aproveitando o episódio para enfraquecer, caçoar e maltratar esta mistura mágica de técnica com arte, que somente é apreciada e compreendida em toda sua amplitude quando é estudada com seriedade, profundidade e mente aberta. Na realidade, rebaixar Plutão não muda absolutamente nada (fora a atualização dos livros escolares) para quem conhece as leis imutáveis da vida... Ficou ainda mais patente o preconceito que continua existindo entre a chamada "ciência oficial" e "os outros" que buscam simplesmente ir além daquilo que é possível de ser visto, analisado em laboratório, medido, pesado, cortado, delaminado, esmiuçado e classificado de forma "objetiva", de acordo com parâmetros "científicos" claros e definitivos...

Ora, será que ainda não aprendemos com os fatos recentes de nossa história? Vamos seguir este raciocínio: parece que o Universo em sua respiração - tudo é sempre cíclico e vem em ondas - colocou desta vez, no lugar dos "algozes" de hoje, as vítimas de outrora, as que sofreram na carne a ira da ortodoxia da igreja e os horrores da inquisição, por terem descoberto justamente o correto funcionamento do nosso sistema planetário (curiosa e grande coincidência esta influência dos corpos celestes)... Gênios como Galileu, que peitou cardeais e papas e detonou o absurdo dogma, até então vigente, que rezava que o Cosmos inteiro existia apenas em função da Terra, considerada o centro do Universo, rebaixando em dois tempos nosso planeta azul (coincidência?) para um insignificante grão de areia. Se Galileu foi condenado ao silêncio, menos sorte teve o persistente, brilhante e corajoso pesquisador Giordano Bruno, queimado na fogueira em 1600... Sabem que o medo da fogueira foi especialmente calamitoso travando de fato a luta pelo conhecimento, pela verdade, calando de vez - e por séculos - os sábios da Itália, que até então lideravam o movimento científico europeu, inaugurando um longo período de doloroso obscurantismo?

O que me pergunto é o seguinte: quando finalmente nós, irmãos, permitiremos realmente que a busca do conhecimento se processe de maneira decente, correta, abrindo espaço aos seres éticos e de boa vontade que já estão muito além do que hoje está consolidado, aceito e definido? Como podemos continuar ainda desconfiando ou desabonando tantas pessoas de bem, em sintonia com a Unidade, com o Amor Incondicional, que estão desbravando agora outras áreas do conhecimento, na busca serena da harmonia dos valores reais da existência, da comunhão com a Natureza; avançando admiravelmente na espiritualidade sem dogmas, na cura do corpo físico passando obrigatoriamente pela cura da Alma.
**

Tuesday, August 29, 2006

Boas notícias! - ANIMAL lança campanhas educativas inéditas em Portugal


AnimaisExcepcionais.org

Fica aqui este texto pertencente à Animal em que é divulgada a criação pela mesma e seus parceiros de sites educativos sobre o lugar e modo como é tratado o animal habitualmente considerado para consumo alimentar, na vida humana.

Fica assim preenchida uma lacuna sobre uma realidade que alguns já conhecem, mas à qual a maioria das pessoas vive completamente alheia
#


Em colaboração com a CIWF – Compassion In World Farming, a maior organização mundial de protecção dos animais de quinta, ANIMAL lança campanha “Animais Excepcionais”.
Com o apoio e patrocínio do “Terra” – Restaurante Natural, ANIMAL lança a primeira grande campanha de divulgação do vegetarianismo em Portugal ::
Sites educativos AnimaisExcepcionais.org e SejaVegetariano.org são meios centrais destas campanhas, a par de outros meios de divulgação
[...]
Pela primeira vez em Portugal, os animais de quinta – animais criados, engordados e mortos com fins alimentares – têm uma verdadeira “embaixada” em Portugal. Através de uma campanha inédita neste país, preparada e promovida pela ANIMAL em colaboração com a CIWF – Compassion In World Farming, a maior organização mundial de protecção dos animais de quinta, o público português passará a ser activamente informado acerca das notáveis características psicológicas, emocionais e intelectuais dos animais que habitualmente são vistos apenas como fonte de alimento, mas que, na verdade, são muito mais do que isso e devem ser reconhecidos, considerados e respeitados enquanto tal. A campanha “Animais Excepcionais”, com sede no novo site educativo www.AnimaisExcepcionais.org, será a representação dos animais de quinta, das suas necessidades e interesses, em Portugal, e será a base dos novos esforços de campanha que a ANIMAL passará a empreender para, de um modo positivo e fundado num conceito de educar para mudar comportamentos, levar o público a preocupar-se mais com os animais que frequentemente apenas conhece quando estão no seu prato. Este projecto educativo será de importância estrutural para levar o público português a exigir, junto dos legisladores portugueses e comunitários, mais protecção legislativa e prática para os animais de quinta. A campanha “Animais Excepcionais”, com publicações educativas para crianças e para adultos, será o primeiro elemento do projecto “Um Mundo de Todos”, o novo projecto de educação da ANIMAL.

Simultaneamente, a campanha “Animais Excepcionais” será acompanhada e reforçada por uma campanha igualmente inédita em Portugal – a campanha “Seja Vegetariano”, a primeira do seu género em Portugal, fará chegar ao público português a mensagem saudável do vegetarianismo e do modo como uma dieta vegetariana pode trazer imensos benefícios para a saúde e o bem-estar dos indivíduos que a praticam. Enquanto a divulgação e a adopção do vegetarianismo têm tido um crescimento exponencial imparável em países como Inglaterra e Alemanha, entre muitos outros, fruto de uma sólida e grande divulgação dos seus benefícios, e enquanto mesmo em Portugal muitos médicos e nutricionistas cada vez mais desencorajam o público de ter uma alimentação com muitos alimentos animais – caso presente, em que o consumo de alimentos animais domina a alimentação humana, tendência que começou há poucas décadas e que se tem intensificado tremendamente, para grande prejuízo da saúde humana, mas também dos animais e do equilíbrio ecológico do planeta, com as tão nefastas consequências ambientais da produção animal –, faltava em Portugal uma campanha activa de divulgação do vegetarianismo. A campanha “Seja Vegetariano” da ANIMAL – apoiada e patrocinada pelo “
Terra” – Restaurante Natural (www.terra.vg), um dos melhores e mais requintados restaurantes vegetarianos de Lisboa – tem, desde logo, como base o novo site educativo www.SejaVegetariano.org, a par de um conjunto de publicações educativas (incluindo para crianças) acerca do vegetarianismo, das razões para se ser vegetariano e de como, em termos práticos, alguém pode ser vegetariano. Entre outras, a ANIMAL tem, desde hoje, disponíveis, para distribuição gratuita, Kits de Iniciação ao Vegetarianimo – uma brochura informativa de 12 páginas que serve de guia de base para alguém que queira tomar a importante decisão de adoptar uma dieta vegetariana.

A campanha “Seja Vegetariano” tem ainda uma outra particularidade, igualmente inédita em Portugal e de grande utilidade: é coordenada por uma dietista profissional. Vanda Botelho, dietista em unidades de saúde e Consultora Dietética e Coordenadora da campanha “Seja Vegetariano” da ANIMAL, afirma “enquanto humana e enquanto licenciada e profissional de dietética, acredito no vegetarianismo e nos muitos benefícios para a saúde humana que pode trazer, assim como acredito nas razões éticas que estão na base da escolha de uma dieta vegetariana”. Através do e-mail
SejaVegetariano@animal.org.pt, qualquer pessoa poderá, a partir de hoje, obter, gratuitamente, informações acerca de como adoptar uma dieta vegetariana junto desta dietista da ANIMAL. Este elemento de apoio e assistência a quem queira tornar-se vegetariano e sentir-se acompanhado nessa mudança tão importante é uma das preocupações centrais da ANIMAL.

Segundo Rita Silva, Vice-Presidente da ANIMAL, “celebridades internacionais tão conhecidas como Pamela Anderson, Moby, Alec Baldwin ou Kim Basinger, e reputadas figuras públicas portuguesas, como o advogado António Maria Pereira e a manequim britânica residente em Portugal Emily Brown, são vegetarianas porque querem ter uma vida saudável para si... e para os outros animais, que só através do vegetarianismo podem ser efectivamente respeitados e deixarem de estar expostos ao sofrimento horrível e contínuo que conhecem, desde que nascem até que morrem enquanto explorados na indústria agro-pecuária. Acreditamos e estamos a apostar fortemente em fazer progredir grandemente a protecção dos animais de quinta em Portugal, assim como o vegetarianismo – pelo bem-estar das pessoas e pelos direitos dos animais”.
*

Sunday, August 27, 2006

Eu Poderia

















Eu poderia ser feliz se quisesse,
a minha felicidade depende de mim.
Eu poderia entranhar-me pelos bosques
e descobrir velhos segredos,
guardados ali pelos ventos.
Eu poderia subir na mais alta montanha
e sentir-me única, dona do mundo.
Eu poderia correr pelos campos
como uma criança, de braços abertos,
sorrindo, como gente grande.
Eu poderia ir reverenciar o mar,
ficar longas horas a olhá-lo,
e adormecer acariciando suas águas.
Eu poderia deitar-me na grama fresca
ao sabor do vento no rosto,
e contar cada nuvem, cada pássaro.
Eu poderia, numa tarde morna,
ao som das flores líricas,
recostar minha cabeça cansada,
no tronco de uma velha árvore
e beber a água da fonte da vida.
Eu poderia... poderia!...
Mas se eu dissesse que fiz tais coisas,
quem em mim acreditaria?
*
daqui
*

Thursday, August 24, 2006

Livros: Notícias do Paraíso... :-)


imagem

No site do IPPB tem novos livros disponíveis para leitura online: Experiências Fora do Corpo e um outro: Desdobramento, OVNIs e Esoterismo

Interessante achei eu essa descrição na página 29 do Experiências Fora do Corpo:

A Dimensão Búdica:
Este é um mundo quente, abstrato, preenchido com paz absoluta e amor infinito. É uma dimensão de branco puro. Não há outra percepção sonora ou visual aqui além do branco brilhante penetrante. Nessa dimensão você abandona muito rapidamente o pensamento consciente e a individualidade. Você não consegue pensar por muito tempo uma vez que entre aqui e não há necessidade ou desejo de fazer isso. Há um desejo irresistível lhe atraindo para uma tranqüilidade silenciosa. É como estar imerso em uma penugem de puro algodão branco e quente. Nesse mundo você deixa de ser um indivíduo e se torna, parte do todo. Você também deixa de ser homem ou mulher. De certa forma é como retornar ao útero materno. Você está envolvido, absorvido e assimilado pelo calor do amor infinito, pela compreensão, perdão e reconciliação.


O tempo deixa de ter qualquer significado. Se você entrar nesse mundo você nunca, jamais, irá querer deixá-lo, você não consegue deixá-lo até que seu corpo físico lhe chame e o traga de volta. Este é um local de cura e descanso para a alma.


Igualmente interessante, A Dimensão Mental e A Dimensão Átmica, respectivamente uma página antes e uma página depois

Fica aí o indice...
*

The Great Ape Project


foto

Adorei esta declaração de príncipios na The Great Ape Project

Great Ape Project foi criada por Peter Singer, tambem fundador da Associação Internacional de Bioética

Ao participar já este ano em São Paulo, no Congresso Pitágoras 2006 o muitissimo controverso professor de Bioética e defensor da causa animal pronunciou-se tambem sobre a questão do meio ambiente

(Entrevistas com Peter Singer)
*

Wednesday, August 23, 2006

Consciência e Quântica

Quem somos nós? é o titulo do artigo.

Este e outros igualmente interessantes,

*

Quem somos nós? Esta é a pergunta que perpassa todo o contexto do filme que vem despertando uma grande polêmica no Brasil: “What the bleep do we know?” produzido por neurocientistas e físicos de universidades americanas e que foi traduzido por “Quem somos nós?”. Produzido sob a forma de um documentário alternando com flashes de uma história de fundo, ele trata da controvertida discussão entre física quântica e consciência, dois universos tradicionalmente distintos: um, das ciências exatas e o outro, das ciências humanas.

Falando para leigos, pesquisadores de renome mundial como Candace Pert, David Albert, Amit Goswani e muitos outros, expõem sua perplexidade diante das novas descobertas da ciência. Caem por terra preconceitos como o da “objetividade científica”, e a consciência volta à cena. Todos eles são unânimes em afirmar que realidade não é o que existe lá fora e sim, o que nosso cérebro produz através de uma complexa rede de conexões neuronais movida por... emoções. Ou seja, não existe isso que chamamos “realidade material”... a única realidade que existe é a nossa percepção individual e singular daquilo que nossa história de vida plasmou como sendo real.

Um depoimento do filme poderia ilustrar isto: conta-se que quando os navios de Colombo se aproximaram das costas caribenhas, os nativos não conseguiam ver nada no mar. Os navios estavam lá, mas eles não os viam. Por quê? Porque não havia em suas mentes nenhum registro daquilo, nada que pudessem reconhecer como “navio”. Foi o xamã quem “viu” primeiro; ele observou ondulações na água, entrou em transe e viu algo diferente se aproximando. Como era uma figura respeitada pelos nativos, eles acreditaram no que seus olhos viam e descreviam, e assim passaram a ‘ver’ também.

Uma das mais provocativas cenas do filme é quando a personagem principal, uma fotógrafa que é surda e fala com dificuldade, encontra o “garoto-maravilha” num parque. Leitor assíduo do gibi do Dr. Quantum, ele lhe ensina que quando ela pega numa bola, na verdade não está pegando em nada. Ela pega a “memória” da bola registrada em seu cérebro e, como há muito tempo não joga basquete e porque acredita que não consegue mais acertar, erra todas as cestas. Só quando traz de volta a lembrança de como era boa jogadora na adolescência, quando se vê mentalmente acertando todas, é que consegue mudar esse registro. E então compreende que vivemos num mundo de possibilidades; e que tudo é possível - desde que acreditemos nisso.

A física quântica (que estuda os quanta, a menor quantidade de energia capaz de criar a matéria) foi a maior descoberta do último século. Graças a ela hoje sabemos que não somos meros expectadores e sim, atores e produtores daquilo que julgamos ser a nossa realidade. Os chamados “objetos quânticos” (e tudo é objeto quântico!) são ao mesmo tempo ondas de possibilidade - transcendência pura -, que são transformados pelo nosso olhar em partículas sólidas e localizadas. Na verdade não é o olho, e sim o nosso cérebro que vê o objeto. Isso significa que o que vemos não corresponde de fato a algo existente lá fora.

[...]

[artigo completo)

*

Tuesday, August 22, 2006

Divina proporção?













Recebi por mail e não resisto a publicar. Foi-me acordar lembranças de conversas tidas com meu pai em garotinha, que abordavam sempre temas interessantes e até um pouco invulgares, nomeadamente este mesmo.
*
* * *
*
Todos nós já ouvimos falar em número PI.

É o irracional mais famoso da história, com o qual se representa a razão constante entre o perímetro de qualquer circunferência e o seu diâmetro.

Não confundir com o número Phi.
O número PHI (letra grega que se pronuncia "fi") apesar de não ser tão conhecido, tem um significado muito mais interessante.

Durante anos o homem procurou a beleza perfeita, a proporção ideal.

Os gregos criaram então o retângulo de ouro. Era um retângulo, do qual havia-se proporções... do lado maior dividido pelo lado menor e a partir dessa proporção tudo era construído. Assim eles fizeram o Parthenon... a proporção do retângulo que forma a face central e lateral. A profundidade dividia pelo comprimento ou altura, tudo seguia uma proporção ideal de 1,618.

Os Egípcios fizeram o mesmo com as pirâmides cada pedra era 1,618 menor do que a pedra de baixo a de baixo era 1,618 maior que a de cima, que era 1,618 maior que a da 3a fileira e assim por diante.

Bom, durante milênios, a arquitetura clássica grega prevaleceu. O retângulo de ouro era padrão mas depois de muito tempo, veio a construção gótica, com formas arredondadas que não utilizavam o retângulo de ouro grego.

Mas em 1200... Leonardo Fibonacci um matemático que estudava o crescimento das populações de coelhos criou aquela que é provavelmente a mais famosa seqüência matemática a Série de Fibonacci.

A partir de 2 coelhos, Fibonacci foi contando como eles se aumentavam a partir da reprodução de várias gerações e chegou numa seqüência onde um número é igual a soma dos dois números anteriores 1 1 2 3 5 8 13 21 34 55 89...

1+1=2
2+1=3
3+2=5
5+3=8
8+5=13
13+8=21
21+13=34
E assim por diante.

Aí entra a 1ª "coincidência"; proporção de crescimento média da série é... 1,618.

Os números variam, um pouco acima às vezes, um pouco abaixo mas a média é 1,618, exatamente a proporção das pirâmides do Egito e do retângulo de ouro dos gregos.

Então, essa descoberta de Fibonacci abriu uma nova idéia de tal proporção que os cientistas começaram a estudar a natureza em termos matemáticos e começaram a descobrir coisas fantásticas.

-A proporção de abelhas fêmeas em comparação com abelhas machos em uma colméia é de 1,618;

-A proporção que aumenta o tamanho das espirais de um caracol é de 1,618;

-A proporção em que aumenta o diâmetro das espirais sementes de um girassol é de 1,618;

-A proporção em que se diminuem as folhas de uma arvore a medida que subimos de altura é de 1,618;

-E não só na Terra se encontra tal proporção.

Nas galáxias as estrelas se distribuem em torno de um astro principal numa espiral obedecendo à proporção de 1,618 também

Por isso, o número Phi ficou conhecido como A DIVINA PROPORÇÃO. Porque, os historiadores descrevem que foi a beleza perfeita que Deus teria escolhido para fazer o mundo.

Bom, por volta 1500 com a vinda do Renascentismo à cultura clássica voltou à moda... Michelangelo e principalmente Leonardo da Vinci, grandes amantes da cultura pagã, colocaram esta proporção natural em suas obras. Mas da Vinci foi ainda mais longe; ele como cientista, pegava cadáveres para medir a proporção do seu corpo e descobriu que nenhuma outra coisa obedece tanto a DIVINA PROPORÇÃO do que o corpo humano... obra prima de Deus.

Por exemplo:
-Meça sua altura e depois divida pela altura do seu umbigo até o chão; o resultado é 1,618.

-Meça seu braço inteiro e depois divida pelo tamanho do seu cotovelo até o dedo; o resultado é 1,618.

-Meça seus dedos, ele inteiro dividido pela dobra central até a ponta ou da dobra central até a ponta dividido pela segunda dobra. O resultado é 1,618;

-Meça sua perna inteira e divida pelo tamanho do seu joelho até o chão. O resultado é 1,618;

-A altura do seu cranio dividido pelo tamanho da sua mandíbula até o alto da cabeça. O resultado 1,618;

-Da sua cintura até a cabeça e depois só o tórax. O resultado é 1,618; (considere erros de medida da régua ou fita métrica que não são objetos acurados de medição).

Tudo, cada osso do corpo humano é regido pela Divina Proporção.

Seria a Divindade, usando seu conceito maior de beleza em sua maior criação feita na sua imagem e semelhança?

Coelhos, abelhas, caramujos, constelações, girassóis, arvores, artes e o homem; coisas teoricamente diferentes, todas ligadas numa proporção em comum.

Então até hoje essa é considerada a mais perfeita das proporções.

Encontramos ainda o número Phi nas famosas sinfonias como a 9ª de Bethoven e noutras diversas obras.

Então, isso tudo seria uma coincidência?...ou seria o conceito de Unidade com todas as coisas sendo cada vez mais esclarecidas para nós?

(Rogerio Pires)
*

Sunday, August 20, 2006

O que nos conta Azar do Teerão


Azar Nafisi, a escritora de Ler Lolita em Teerão

Ainda estou no príncipio mas estou a gostar bastante do livro...

As duas fotografias deviam ser colocadas lado a lado. Ambas personificam a «frágil irealidade» - para citar Nabokov, falando da sua própria situação de exilado - da nossa existência na Républica Islâmica do Irão. Uma anula a outra; contudo, sem uma, a outra está incompleta. Na primeira fotografia, ali de pé com as nossas túnicas e lenços pretos, somos os seres criados pelos sonhos de outras pessoas. Na segunda, aparecemos como nos imaginávamos a nós própias. E em nenhuma delas conseguíamos sentirmo-nos completamente à vontade
[...]
Até 1994, o chefe da censura cinematográfica no Irão era cego. Ou melhor quase cego. Antes de desempenhar essas funções, fora chefe de censura do teatro. Um dos meus amigos dramaturgos explicou-me uma vez que ele costumava sentar-se no teatro com uns óculos muito grossos, que pareciam esconder mais do que mostravam.

Ao lado dele sentava-se um assistente que lhe explicava o que se estava a passar no palco, e então ele decidia quais as partes que tinham de ser cortadas.

Depois de 1994, esse censor passou a ser o chefe do novo canal de Teerão. Aí aperfeiçoou os seus métodos, exigindo que os argumentistas lhe dessem os seus argumentos em cassete-áudio; estavam proibidos de os embelezar ou dramatizar de uma forma ou de outra. Então ele tomava as suas decisões sobre os argumentos baseado no que ouvia nas cassetes. Mais interessante ainda, contudo, foi o facto de o seu sucessor, que não era cego - pelo menos, não físicamente -, seguir tambem o mesmo sistema.
[...]
O nosso mundo controlado pelas leis dos mullahs era defnido pelas lentes incolores do censor cego. Não fora apenas a nossa realidade, mas também a nossa ficção que adquirira essa curiosa coloração, num mundo em que o censor rivalizava com o poeta em reinventar e recriar a realidade, onde simultaneamente nos inventávamos a nós próprias e éramos simples produtos da imaginação de outras pessoas.
[...]
As cores do meu lenço ou da gravata do meu pai eram símbolos da decadência ocidental e das tendências imperialistas. Não usar uma barba, apertar as mãos aos membros do sexo oposto, bater palmas ou assobiar em público eram igualmente considerados hábitos ocidentais e portanto decadentes, como parte da conspiração armada pelos imperialistas para destruir a nossa cultura.

(In: Ler Lolita em Teerão)

entrevista com Azar Nafisi: Go Ask Your Mother

entrevista relacionada ao tema, tambem com A.Nafisi
*

Etiquetagens...


será que ainda temos hoje connosco a criança que um dia fomos?!

Responder ao desafio da Jacky:

(seis informações minhas aleatórias e seis etiquetas noutros bloggers e tal e coisa.)

Sou procrastinadora, em muita coisa que não devia.
Básicamente é a mania de adiar as coisas: não faço hoje, faço amanhã...
É um (mau) traço de carácter que tenho tentado tentado corrigir com algum sucesso, mas ainda me falta muito...

Tambem sou impulsiva e nos dois sentidos: construção/desconstrução. No final tento que a volta seja por cima, ou seja saldo positivo; no mínimo aprender a lição

Sou incurávelmente optimista; costumo dizer que não é defeito, é feitio (e portanto algum bem que daí advenha não tem mérito!) Só coloco travão quando chega ao ponto de excesso de confiança, -algo que penso ser pouco realista e benéfico.

Sou de ondas, preguiça num dia, noutro altamente produtiva

Sou, ou tento ser, responsável pelo que de mim depende do modo mais eficaz possivel

Sou de espírito investigativo, gosto de descobrir coisas, especialmente se for o terreno surpreendente chamado alma humana... no entanto desconheço por completo as 'curiosidades menores': com quem anda? o que faz... etc; chateiam-me!

Já estão as seis coisas?! Oh que pena, agora que estava tão lançada para contar mais... paciência!

passo o testemunho a essas meninas e meninos:

Ananda
Fritz
Hindy
Ponto Azul
Nelson
Miudaaa
*

Friday, August 18, 2006

Joie de vivre


imagem

Só através da sua própria experiência - não pelo que Buddha diz, não pelo que eu digo... só através da sua própria experiência, um dia você será capaz de ir além de todos os relacionamentos. Desse modo você pode ser feliz sozinha. E a pessoa que pode ser feliz sozinha é realmente um indivíduo. Se sua felicidade depende do outro, você é um escravo; você ainda não está livre, você está em escravidão.

Quando você for feliz sozinha, quando você puder viver consigo mesmo, não haverá nenhuma necessidade intrínseca de estar em relacionamento. Isto não quer dizer que você não irá se relacionar. Relacionar-se é uma coisa, e estar num relacionamento é coisa bem diferente. Relacionamento é um tipo de escravidão, relacionar-se é compartilhar. Você irá se relacionar com muitas pessoas, você irá partilhar sua alegria com muitas pessoas, mas você não irá depender de ninguém em particular e você não irá permitir ninguém mais depender de você. Você não irá ser dependente, e você não permitirá que ninguém seja dependente de você. Assim você vive da liberdade, da alegria, do amor.
(Osho)
*

Thursday, August 17, 2006

Celtic Way



Que jamais, em tempo algum, o teu coração acalante ódio.
Que o canto da maturidade jamais asfixie a tua criança interior.
Que o teu sorriso seja sempre verdadeiro.
Que as perdas do teu caminho sejam sempre encaradas como lições de vida.
Que a musica seja tua companheira de momentos secretos contigo mesmo.
Que os teus momentos de amor contenham a magia de tua alma eterna em cada beijo.
Que os teus olhos sejam dois sóis olhando a luz da vida em cada amanhecer.
Que cada dia seja um novo recomeço, onde tua alma dance na luz.
Que em cada passo teu fiquem marcas luminosas de tua passagem em cada coração.
Que em cada amigo o teu coração faça festa, que celebre o canto da amizade profunda que liga as almas afins.
Que em teus momentos de solidão e cansaço, esteja sempre presente em teu coração a lembrança de que tudo passa e se transforma, quando a alma é grande e generosa.
Que o teu coração voe contente nas asas da espiritualidade consciente, para que tu percebas a ternura invisível, tocando o centro do teu ser eterno.
Que um suave acalanto te acompanhe, na terra ou no espaço, e por onde quer que o imanente invisível leve o teu viver.
Que o teu coração sinta a presença secreta do inefável!
Que os teus pensamentos e os teus amores, o teu viver e a tua passagem pela vida, sejam sempre abençoados por aquele amor que ama sem nome.
Aquele amor que não se explica, só se sente.
Que esse amor seja o teu acalanto secreto, viajando eternamente no centro do teu ser.
Que este amor transforme os teus dramas em luz, a tua tristeza em celebração, e os teus passos cansados em alegres passos de dança renovadora.
Que jamais, em tempo algum, tu esqueças da Presença que está em ti e em todos os seres.
Que o teu viver seja pleno de Paz e Luz!

(oração celta)
*

Tuesday, August 15, 2006

Homeless Pets



Siga esse link...
*

Estrelas


imagem

Encontrei esta interessante explicação no final do prefácio de um livro (Livro das Feiticeiras) cujo início, à semelhança de outros livros lá presentes, é possivel de apreciar neste site.

«alguma vez perguntou a si mesma/o por que motivo se usa a expressão «cinco estrelas» para classificar algo que tem uma qualidade inigualável?... Ou a razão por detrás de os ídolos do cinema, teatro e televisão serem chamados de «estrelas»? E já reparou que na grande maioria dos casos as estrelas que adornam os méritos e destaques têm quase sempre 5 pontas?... Ora bem, atrás de um ícone tão comum existe, afinal, um historial antigo e cheio de mistérios.
A estrela de 5 pontas é um símbolo de origem milenar, sempre presente para demonstrar garra e luta, capacidade de decisão, honra, coragem, disposição para a batalha, expressão de vitória e de conquista. Este símbolo reúne entre os seus mais importantes significados os atributos positivos do planeta Marte, sendo a sua utilização em magia bastante antiga. Todos sabemos que as estrelas, tal como representadas na iconografia, são representações do céu, das alturas, da astronomia, enfim, exortam o imaginário popular a olhar para cima e a buscar algum significado, a tentar transcender o quotidiano.
As 5 pontas representam Ar, Fogo, Água, Terra e Espírito. Os antigos Chineses acreditavam que existiam 5 elementos (madeira, fogo, terra, metal e água), 5 planetas, 5 estações, 5 sentidos, bem como 5 cores primárias, sons e sabores. A concessão de uma estrela de 5 pontas é o mesmo que colocar o indivíduo entre os deuses ou entre os grandes de uma cultura pelos seus actos de coragem. Traz consigo a ideia de actos de heroísmo conducentes ao alcance da graça de habitar um mundo de bem-aventurados, seja o Olimpo dos gregos ou o paraíso do pensamento medieval, associado ao céu.
Hoje o símbolo da estrela de 5 pontas tornou-se o elemento decorativo mais comum em festas e cerimónias. Traz consigo a ideia da necessidade humana de se ligar a mundos superiores através de uma atitude considerada socialmente como honrada, nobre e digna de comemoração como uma vitória sobre todas as vicissitudes.
A sua relação com o planeta Marte tem a ver com o sistema cabalístico. Marte é a divindade guerreira sempre localizada, numa hierarquia de 10 potências, na quinta posição. Observando a partir da Terra, se contarmos a partir do Sol em ordem de distanciamento, a posição dos planetas fica assim ordenada: Sol, Mercúrio, Vénus, Lua (não contamos a Terra, pois ela é o nosso ponto de observação) e Marte. A estrela de 5 pontas também representa a quinta-essência, a união dos 4 elementos, Fogo, Terra, Ar e Água através de um quinto que os funde e lhes confere funcionalidade. É símbolo do ser humano, mentor da matéria e representante do divino no mundo.
»
*

Monday, August 14, 2006

Ideias






















Ser amigo é entender o silêncio, a ternura, o mistério.
(Ely M. Becker)

Não viva em terreno de perus, se você quer aprender a voar como águias.

Em vez de dizer: "isto não pode ser feito", continue questionando o seu cérebro: "Como isto pode ser feito?"


*

Sunday, August 13, 2006

Dar a palavra...



Uma leitora me escreve, alertando para o fato de o excesso de memória e peso, na bagagem de lembranças, retardar o avanço na caminhada. Segundo ela, uma mochila mais leve permite saltos mais altos, horizontes mais distantes e descobertas mais rápidas. Aconselha-me, cheia de carinho, a esvaziar a mala e arrumar tudo de novo, atirando fora aquilo que eu julgar desnecessário.
[...]
E, uma vez resolvido a carregar comigo todo o sentimento, passo à tarefa mais simples de selecionar a matéria. É mais fácil. Prefiro cortar o excesso de peso nessas coisas. Não vou abrir mão de uma única lembrança, de um único gesto, de nenhum beijo - nem mesmo aquele que me amargou a boca. Vou levar comigo todos os meus sonhos, os que espoucaram nos céus e os outros que abortei na calada da noite. É a minha história, o meu traçado.
[...]
Miguel Falabella

#
Eu sei que a gente se acostuma.
Mas não devia.
A gente se acostuma a morar em apartamento de fundos e a não ter outra vista que não as janelas ao redor. E porque não tem vista, logo se acostuma a não olhar para fora. E porque não olha para fora, logo se acostuma a não abrir de todo as cortinas. E porque não abre as cortinas, logo se acostuma a acender mais cedo a luz. E porque à medida que se acostuma, esquece o sol, esquece o ar, esquece a amplidão.
[...]

Marina Colasanti - texto completo

(Marina Colasanti)

#
[Saudade é basicamente não saber]

[...]
Não saber o que fazer com os dias que ficaram mais compridos;
Não saber como encontrar tarefas que lhe cessem o pensamento;
Não saber como frear as lágrimas diante de uma música;
Não saber como vencer a dor de um silêncio que nada preenche.
Saudade é não querer saber se ela está com outro, e ao mesmo tempo querer.
É não saber se ele está feliz, e ao mesmo tempo perguntar a todos os amigos por isso...
É não querer saber se ele está mais magro, se ela está mais bela.
Saudade é nunca mais saber de quem se ama, e ainda assim doer;
Saudade é isso que senti enquanto estive escrevendo e o que você,provavelmente, está sentindo agora depois que acabou de ler...

(texto de Miguel Falabella, aqui)

(outra crónica de Miguel Falabella)

[Para ler outras excelentes crónicas de vários autores, mudar apenas o número a seguir a cro]
*

Outro artigo especial


Livro citado no texto completo: O Poder do Mito

Como os sons têm cores e as cores emitem sons, na antiguidade, os caldaicos, hindus ou egípcios faziam o encantamento sob a combinação hipnótica entre a cor e a música. Mobilizavam as forças astralinas do ambiente, pela excitação dos componentes do ritual de enfeitiçamento e atração de fluidos primários perniciosos e densos. Isso acicatava os próprios insetos, répteis, animais e as aves bastante sensíveis à música, cujas vibrações também atuam em conexão com a cor! Os clarividentes podem informar-nos que o "dó" natural é vermelho-fogo, o "fá" é de um belo verde-seda e o "si", a sétima nota, lembra o azul-celeste. Assim, quando soam certos instrumentos, os insetos, répteis e aves não somente percebem as notas musicais, como, devido ao duplo etérico primitivo, conseguem perceber as cores mais afins à sua contextura oculta. As cobras são fascinadas pelas flautas, as diversas espécies de aranhas gostam do som do piano; os insetos, em sua maioria, aquietam-se sob os acordes dos violinos e os sapos alegram-se pela chuva batendo sonoramente sobre as latas; os camelos mostram-se mais dóceis e resistentes quando viajam pelo deserto ao som de alguma melodia.

[RAMATIS: O USO DAS CORES NA MAGIA]

(texto daqui que está aqui
**

Consciência do tempo



O que é o tempo para nós? Pelo dicionário Aurélio, tempo é “a sucessão dos anos, dias, horas etc., que envolve a noção do presente, passado e futuro”.Para alguns estudiosos em física quântica, são pequenas explosões de luz que criam a realidade. E é durante cada explosão de luz que experimentamos os acontecimentos do nosso mundo. Segundo os essênios, é no momento entre a inspiração e a expiração que estão ocultos todos os mistérios. Então, podemos dizer que o nosso tempo é maior quando percebemos a maior quantidade de explosões de luz e menor quando percebemos menor quantidade. E o espaço entre essas explosões, o que seria? Seria o nosso ponto de escolha. Existem centenas de milhares de explosões de luz que fazem com que as nossas escolhas sejam rigorosamente seguidas. No momento em que mudamos este ponto de escolha, de preferência

bem no início dela (veja o texto reprogramação de matrizes), podemos mudar para um novo resultado. Isso vale para qualquer situação. Tomemos como exemplo a doença. Num determinado momento, uma pessoa fez uma série de escolhas que resultaram numa série de explosões seqüenciais de luz, acarretando assim numa doença. Se formos até a origem dessa escolha e mudarmos o seu ponto de início, a doença desaparecerá, pois ela não existirá naquela nova série de explosões de luz.
[...]
Se podemos fazer isso, então é possível nos projetar para os acontecimentos futuros que estão em curso, por conta de nossas escolhas. Qualquer pessoa é capaz de fazer essa projeção, desde que entenda que aquele resultado pode ser modificado a qualquer tempo.
[...]
Dessa forma, percebemos o porquê das profecias catastróficas. Na verdade, elas são uma das linhas de resultados quanto às nossas escolhas. Façamos, então, a escolha pela linha do tempo, ou pontos de escolhas de uma Terra feliz. Mas, segundo os Hopis (índios oriundos do México, junto aos Astecas), existe um local onde as duas escolhas se encontram e é aí que alguns acontecimentos se fazem necessários para que possamos escolher em que Terra queremos viver.


O aumento da fome, da violência, da redução da água potável, da fenda na camada de ozônio, da redução das florestas, extinção da vida selvagem e disseminação das armas nucleares, são alguns deles. Por quanto tempo permaneceremos nisso, nós é que decidiremos, através das nossas escolhas. Possivelmente, estes serão os sinais que nos alertarão que devemos, rapidamente, escolher.

texto completo, daqui
*

Saturday, August 12, 2006

'Para Mim os Animais importam' *



Este blog tem em cada post uma fonte de informação importante de assuntos relacionados com os animais, sua situação e quem com eles se (pre) ocupa.

Neste momento o último post é a (óptima) resposta àquela estafada frase, emblemática dos-sem-argumento-que-não-se-identificam-com-a-causa-animal "Porque não vão ajudar crianças com fome?"...

Destaco alguns links mas todos os outros são tambem a visitar


#
Na ajuda ao cenário trágico provocado pelas guerras de humanos, os animais para variar, são esquecidos! Até quando esta situação?! A retirada de civis no centro de cenários de guerra não contempla os animais domésticos nem mesmo aqueles que viviam em estreita convivência com os seus humanos aos quais não é permitida a opção de os levar.
Assim se soma mais dor e tragédia ao caos de guerra.


...e veja imagens de resgates efectuados


#



Mais sobre os animais:

Preventing Animal Abuse

#

*Para Mim os Animais Importam é o titulo desta campanha

*

Friday, August 11, 2006

The Book of Days

Li e gostei demais...


Gostei da paz e sabedoria desse livro belo e simples...

[Maria Coriel nasceu em Lisboa e vive na serra algarvia. É professora de Português e Latim e ultima agora um novo livro: O Graal e a Rosa]


Era o tempo das caravelas cor de canela e dos sonhos em flor. Corria o cheiro do ouro, das pedras, do gengibre e da malagueta. Era o tempo de todas as esperanças e de todas as riquezas.
* * *
A memória continuou a embalá-la até a infância. Reviu a pequena cabana. Regressou aos passeios, às estórias forjadas, ao doce embalar da mãe, à sua morte.
Na cabana sombria, sobre a terra nua, o olhar de Ara anunciou para breve a passagem para o mundo da luz daquela figura atormentada pela tosse e pelas febres.
Numa noite de quarto minguante, partiu sem mágoa, tranquila como uma folha de Outono descendo o rio manso. Certa de que o curso de água viva que a levava fluiria para sempre [...]
Ara tinha explicado muitas vezes à jovem que o choro devia ser sereno, tal como o silêncio que envolve o espírito do vento que vinha buscar a alma moribunda da mãe. Ele não conseguiria caminhar no barulho e na angústia. Mas todas as lições se esvaíram quando as pálpebras de Mulamba cairam no sono profundo. Gritou. Arrancaram-lhe a raiz mais funda. Ficou suspensa como um ramo sem tronco. [...]
Saíram as três. Deixaram o espírito do vento preparar a alma para a partida. Ara mandou a jovem que morava com elas, chamar as outras mulheres.

* * *
Nada do que vivemos está fora do caminho. Tudo faz parte dele e nele se integra. Vive o que a vida te oferece. Num dia maduro, descobrirás que o amor não faz parte do caminho, é o próprio caminho.

Maria Coriel - As Filhas da Lua aqui*
*

Gatos e gatinhos



*********Os
*******gatos sempre
*****estiveram
****associados
***à Lua. Como
**a Lua, vêm
*ao mundo de
*noite, fogem da
**humanidade e
***passeiam-se sobre
****os telhados com a luminosidade
*******dos olhos a penetrar
***********a obscuridade

[Patricia Dale-Green]

Update: a gatinha que falei posts atrás e sua prolezinha estão a salvo mas o caso está longe de estar concluido. No entanto tenho esperança que tudo acabe da melhor forma.
Obrigada a todos os que se preocuparam, escreveram e ajudaram no terreno.
*

Thursday, August 10, 2006

Para não esquecer...



Você será sempre uma vítima
enquanto não perdoar

Lido no Animal Crackers, livro de uma muito talentosa Hannah Tinti

(edição portuguesa da Asa)
*

Impermanência



Vós olhais as flores no meio das folhas,
Quanto tempo de bom podem elas ter?

Hoje temem que alguém as colha
Amanhã aguardam que alguém as varra

(O Vagabundo do Dharma
25 Poemas de Han-Shan
Editora Cavalo de Ferro)

Han-Shan foi um poeta chinês do século VII, associado ao budismo Zen.
O tradutor Arthur Waley trouxe-o ao mundo anglo-saxónico em 1954.
Dois anos depois, o poeta Gary Snyder traduziu e publicou 24 poemas de Han-Shan na revista Evergreen Review.

Han-Shan (Montanha-Fria) tem o nome da montanha onde instalou um retiro. Embora fosse referido nos Novos Anais dos Tang e apreciado até ao século XI, foi depois ignorado do século XII ao século XVII.

Apaixonado pela liberdade, entregou-se ao trabalho interior de solidão sem se deixar tentar pelas rotinas das religiões ou de filosofias vigentes.
*

Saturday, August 05, 2006

Diário de bordo - quem precisa de dormir?!



Pensava eu, com infinita candura, que por estar com o ritmo mais abrandado e de certo modo de férias, iria ter dias excelentes para descansar sem preocupações e dormir um tempo mais justo que o habitual.

Não podia estar mais enganada... do meio da semana em diante surgiu-me um caso de urgência animal que implicava a minha intervenção para garantir a sobrevivência de uma gatinha e seus filhotes recém nascidos, família em perigo de vida .

Esse caso tem-me virado os dias e noites e tenho de recorrer a toda a minha disciplina para conseguir somar duas horitas de sono e seguir com restantes aspectos da vida diária.

Ontem, já altas horas da noite chegámos a um ponto importante que em principio viabilizou a sobrevivência dos bébes.

Quando puder regresso à normalidade e se estiver inspirada escrevo uma tragédia grega a relatar factos e o que espero que seja um happy end.

Até lá
*

Há sempre quem pense como nós



Além do bem estar animal -ou ausência dele, me afectar directamente, o mesmo acontece com o mundo vegetal.

Não me sinto indiferente perante um espectáculo banal que aparentemente muitas pessoas olham sem ver: uma planta, muitas vezes colocada com fins decorativos, definha lentamente por falta da coisa mais elementar: água! e talvez mais alguns cuidados...

Sinto-lhe o sofrimento, a privação e o descaso.

Hoje reencontrei um pouco esse espírito num livro técnico sobre plantas decorativas

[...] a ideia de que é muito dificil cuidar das plantas de interior leva a que as pessoas as tratem como se fossem objectos que apenas necessitam de água, e que ao morrerem se trocam por outras.

[...] todos os anos morrem ou são estropiadas 30 por cento das plantas de interior por maus tratos, isto é, por não receberem o tratamento adequado.
Enquanto não houver uma sensibilização geral no sentido de encarar a planta como um ser vivo, como tal tendo necessidades que têm de ser satisfeitas, as plantas continuarão a morrer.

Lembrei-me de um comentário de uma amiga anos atrás, ao saber que alguém se tinha manifestado pesaroso por separar os irmãos de uma ninhada de gatinhos para adoptar: "Meu Deus, será que encontrei uma alma gémea, alguém que sente e pensa como eu?! Não conheço ninguem que se preocupe ou que assuma pensar nisso..."

Pois eu digo que há sempre quem pense como nós...
*

Wednesday, August 02, 2006

Para rir - Que tipo de ave é você?


arte de Lucrecia Miranda Almagro

Estou à varias semanas para postar estes textos do Joseph-Vincent Marqués
Tal não era lá muito possivel por questão de tempo...

Agora com um pouco mais do dito tempo disponível, irei passando em dias diferentes alguns dos tipos de homens mais comuns de encontrar e suas posturas mentais face ás mulheres que aparecem no livro Curso Elementar para Varões Sensíveis e Machistas Recuperáveis, que já tinha trazido aqui em Junho.
Porque me ri bastante com este autor que diz muitas verdades sérias a brincar...

Acerca do varão antiquado a que chamamos paternalista

O homen paternalista encara todas as suas relações com as mulheres a partir da suposição de que se trata de seres incompletos ou débeis [...] Acredita que pode escolher entre aproveitar-se ou exercer sobre elas a sua tutela, e escolhe a segunda.
[...]
O seu arquétipo poderia descrever-se assim:
Se uma mulher chega a uma tertúlia de homens, baixa o nivel intlectual ou, se isso não é possivel por já estar no nível mais baixo, muda de conversa em atenção a ela, mostrando-se mais educado. Não aceita que lhe dêem com os pés: custa-lhe compreender que um humilde inferior rejeite o benévolo superior e continua a insistir, ou considera que se uma mulher é capaz de desprezar a sua generosa oferta é porque vai por mau caminho e é preciso rezar por ela
[...]
É capaz de ver em Margareth Thatcher uma pobre rapariga que se dedicou à política por falta de amor, embora não seja impossível que reconheça o seu valor mas considerando-a «um grande homem».
Em caso de acidente doméstico, ele dirige a reparação que a sua mulher efectua, embora seja provável que saia para lhe comprar um manual de reparações domésticas.
(Acentuamos aqui a caricatura, mas muitas vezes o paternalista não passa de um oportunista carregado de retórica.)
Seria terrível para ele ir em defesa de uma mulher agredida e que ela, apesar da sua frágil aparência mostrasse ser uma hábil karateca
Teria gostado de conhecer a gata borralheira tão pobre e desvalida que ela era
Não será preciso dizer que o personagem masculino com que mais se identificou foi com Noé, proprietário da única barca salvadora e indiscutivel chefe e protector

Capítulo Que espécie de ave é você? in 'Curso Elementar para Varões Sensíveis e Machistas Recuperáveis'
*

Declaração de amor


imagem

Eu sou o Gato.
Sou orgulhoso,
Tenho dignidade
e boa memória,
pois sou mais velho que tu.
Sou mais velho que os
teus deuses...
os deuses das árvores.

E o teu deus do amor,
amar também eu posso,
mas só com metade do meu
coração, e essa dou-ta a ti,
aceita o que posso dar, o todo
não pois não poderia tolerar
a tua inevitável traição.
Fiquemos assim,
amigos honrados.

[Paul Gallico]
*

*


Os gatos sabem
sempre se as
pessoas gostam
deles ou não

Mas nem
sempre eles se
preocupam
com isso

Winifred Carriere
*

Tuesday, August 01, 2006

Animais X Cura


Os Cavalos Curadores

O Sacrifício do cãozinho, uma missão de luz

M. é uma menina de luz, tem um Pet Shop com o apoio dos pais e da irmã. Há tempos, através da sua mãe realizo para ela e para a sua atividade um processo de apoio e inspiração no Projeto Mutação. Tive a oportunidade, dia desses, de estar com ela no Instituto Alvorecer, acompanhando a mãe. Pedi a ela que entrasse e participasse do processo. Aceitou.

Contou chorando sobre uma experiência dolorosa. Fazia quinze dias, um cachorrinho seu (ela tem oito), sem mais nem menos, morrera. Estava com saúde perfeita. Consultou a veterinária que atende junto ao Pet Shop e ela abriu o cãozinho para verificar seus órgãos: tudo perfeito, só o coração apresentava hematomas causados pelo colapso cardíaco fulminante.

Entrei em sintonia com o animal, na dimensão a que pertence e ele estava lá, radiante e feliz, com uma fitinha azul na cabeça (eu não sabia disso, ela me confirmou que costumava colocar uma fita azul em sua cabeça, para deixá-lo mais lindo). Transmiti para ela essa percepção e pedi que liberasse a emoção que estava contida em seu peito. Chorou bastante e pedi que soltasse também a raiva por ele ter morrido.

Na verdade, ele estava destinado a realizar essa missão e viver um curto período aqui na Terra. Realizara um sacrifício (sacro-ofício/ofício sagrado), em prol do Pet Shop e de sua tutora, pois o espaço e a mocinha atravessavam um período de dificuldades, com acúmulo de energias negativas causadas principalmente por inveja e concorrência

...continua...

Artigo de Wilson Francisco no somostodosum desta semana


outros artigos do mesmo autor que realço:

O corpo é o seu templo

A Contaminação Sexual
*

* * *

No somostodosum desta semana gostei particularmente

Leão Azul

Projeto Secreto Universos

Diabete: A busca da verdadeira cura

*

Lindos de arrasar...



Acompanhe essa familiazinha maravilhosa! :-)

Todas as fotos são deliciosas, pequenotes e crescidos numa ternura de cortar a respiração...


O gato e o bom gigante protector...
*

'Vadiando' pela blogosfera...



...encontro sempre gentes e criações interessantes:

...Toda a negatividade é causada pelo acúmulo de tempo psicológico e pela negação do presente. O desconforto, a ansiedade, a tensão, o estresse, a preocupação, todas essas formas de medo são causadas por excesso de futuro e pouca presença. A culpa, o arrependimento, o ressentimento, a injustiça, a tristeza, a amargura, todas as formas de incapacidade de perdão são causadas por excesso do passado e pouca presença...

O trecho é do livro O poder do Agora de Eckhart Tolle, escritor que está na lingua portuguesa pela editora Sextante

A imagem e o texto encontrei na Lilia, no mês de março
*